Blog

Tipos de lubrificantes industriais e suas aplicações

Tipos de lubrificantes industriais e suas aplicações

A lubrificação industrial é um assunto que tem suas particularidades. E isso já começa nos tipos de óleos lubrificantes, sobre os quais nós já falamos em outro texto, e que não são os únicos disponíveis no mercado. Neste texto, você verá os diferentes tipos de lubrificantes industriais e entenderá as aplicações de cada um deles.

Basicamente, os tipos de lubrificantes industriais são divididos de acordo com seus estados físicos da matéria. Enquanto os óleos são líquidos, há ainda as graxas e os lubrificantes sólidos. Juntos, estes três formam as principais alternativas para lubrificação do seu maquinário industrial.

Abaixo, a Filtroil fala a respeito de cada um deles e ainda mostra as aplicações mais recomendadas para cada um. Continue a leitura para entender mais sobre o assunto!

3 tipos de lubrificantes industriais e as aplicações de cada um

1. Óleos

Como citamos, os óleos lubrificantes são os mais comuns do mercado. Eles são feitos a partir da mistura de um óleo básico com aditivos, podendo ter aplicações diversas — o que, basicamente, irá depender do aditivo utilizado na sua composição.

A maioria dos óleos lubrificantes são quase 99% compostos de óleo básico. No entanto, o 1% referente aos aditivos é suficiente para alterar completamente as propriedades do produto, fazendo com que ele seja mais adequado para certas aplicações.

Algo interessante que vale citar aqui é que, quando falamos em óleos, outros tipos também podem atuar como lubrificantes. Tanto óleos hidráulicos quanto óleos térmicos são capazes de atuar com a lubrificação do equipamento. Contudo, este uso deve ser avaliado por profissionais especialistas na área.

As  principais características dos óleos lubrificantes são baixa viscosidade e redução da perda por atrito. Situações que possuem altas cargas e demandam alta velocidade são as principais aplicações para os óleos lubrificantes industriais, incluindo a lubrificação de rolamentos, mancais e engrenagens.

2. Graxas

As graxas, ao contrário dos óleos, possuem maior viscosidade. Não à toa, também são chamadas de lubrificantes pastosos. Sua composição é incrivelmente similar à dos óleos; a única diferença é a adição de espessantes — que muda o formato do material e faz com que ele se torne uma pasta.

No entanto, a mudança é apenas física. Ele continua tendo as mesmas propriedades que teria se fosse um óleo, seguindo o tipo de aditivo aplicado.

Mas por que transformar um óleo em uma graxa? Para aumentar sua versatilidade e fazer com que o lubrificante continue sendo efetivo em casos onde o óleo não seria. Além de ser mais resistente a contaminantes, a graxa pode ser usada em máquinas com diversas cargas, velocidades e temperaturas.

3. Sólidos

Chegamos ao último dos tipos de lubrificantes industriais deste texto. Nós deixamos os sólidos para o final justamente porque eles são os menos utilizados na indústria, ao passo que os óleos e as graxas são observados com muito mais frequência.

São usados quando as condições do maquinário são mais extremas, atuando como agente anti-desgaste (AW) ou de extrema pressão (EP).

Assim como o uso, a composição é bem diferente se comparada aos anteriores. Os materiais que costumam ser utilizados como lubrificantes sólidos são dissulfeto de  molibdênio (MoS2), grafite e politetrafluoretileno (PTFE).

Conhecendo esses tipos de lubrificantes industriais, você pôde observar algumas das alternativas para melhorar e preservar ainda mais seu maquinário industrial, certo? Caso tenha gostado do texto e queira continuar recebendo este tipo de conteúdo, é só seguir a Filtroil no Facebook e no Instagram!

Fale com um Especialista

Tire todas as suas dúvidas falando com nossos especialistas, estamos preparados e prontos para falar com você.

Grupo Filtroil - 2022 © Todos os Direitos Reservados Desenvolvido por WEBi