Blog

Análise de óleo industrial: maiores fontes de contaminação

Análise de óleo industrial: maiores fontes de contaminação

A contaminação dos óleos industriais pode acarretar problemas sérios na sua linha de produção e em seus equipamentos. Por isso, a análise de óleo, feita por especialistas, é fundamental para monitorar a condição do óleo e garantir o bom funcionamento da sua indústria. 

Quando falamos em contaminação de óleos, existem diferentes tipos de contaminantes aos quais esses produtos são submetidos. Você conhece quais são os principais? E de que maneira eles podem afetar o seu maquinário? Neste texto o Grupo Filtroil tirará todas as suas dúvidas. Continue lendo. 

Principais contaminantes: descubra com a análise de óleo

A contaminação dos óleos industriais pode ocorrer de diferentes formas. Tanto no armazenamento, quanto no manuseio e na coleta, os óleos estão expostos  ao contato com substâncias que podem interferir em suas propriedades e causar alterações no funcionamento do equipamento. 

Com isso, a presença de contaminantes interfere diretamente na vida útil das máquinas, havendo o risco, inclusive, de parada total da produção. 

Veja, agora, quais são os principais contaminantes que podem afetar os óleos industriais:

Água

A água é um dos contaminantes mais frequentes em óleos e lubrificantes. Esse processo de contaminação pode acontecer por causa da umidade presente no ar em sistemas abertos e até mesmo, ao colocar um óleo já contaminado no sistema. 

Com o passar do tempo, esse contato do óleo com contaminantes leva a uma redução das propriedades, diminuindo, assim, a sua vida útil e causando falhas no sistema. 

Além disso, o óleo pode se contaminar por água quando há algum tipo de vazamento no sistema, na ocorrência de condensação dos reservatórios, contato com água ou umidade na troca do óleo, problemas no armazenamento ou manutenções executadas de modo incorreto. 

Detritos metálicos

A presença de detritos metálicos no óleo acontece, normalmente, por causa do desgaste nos componentes do maquinário . Dessa forma, o óleo pode passar por reações químicas, como a oxidação, por exemplo, que gera partículas ferromagnéticas. 

Partículas 

A contaminação por partículas pode ocorrer de diversas formas: em sistemas abertos, na transferência de lubrificante contaminado dentro do equipamento, na coleta de óleo ao utilizar um frasco de amostragem e deixá-lo aberto antes de amostrar o lubrificante, dentre outras. 

Quando isso ocorre, há o ingresso de diversos tipos de contaminantes no óleo, como por exemplo, poeira e impurezas presentes no ar ou na mão dos envolvidos no processo. 

Do mesmo modo como acontece com os contaminantes anteriormente mencionados, a presença dessas partículas interfere no bom funcionamento dos óleos. Por isso, a  análise de óleo pode prevenir que danos ocorram aos equipamentos. 

Análise de óleo: como funciona a contagem de partículas? 

É importante ressaltar que o óleo contaminado, ainda que perca suas funcionalidades, pode (e deve) continuar sendo usado. Afinal, o descarte desses produtos causa grandes riscos para o meio ambiente e saúde dos seres humanos.

Assim, quando um óleo industrial se contamina, é necessário que se utilize algum processo de limpeza, filtragem ou purificação

Para tanto, é preciso realizar uma análise de óleo frequente, a fim de verificar a presença de contaminantes no óleo, bem como a sua quantidade. Um dos procedimentos mais importantes, nesse sentido, é a contagem de partículas. 

Por meio da análise de óleo, verifica-se, em uma amostra de óleo, a quantidade e o tamanho das partículas. Outras formas de análise também podem ser utilizadas para evitar falhas no seu sistema industrial. 

Óleo contaminado: conheça os riscos

Conforme o que foi explicitado, a presença de contaminantes acarreta problemas como corrosão, oxidação e perda da capacidade lubrificante nos óleos. Quando isso acontece, as peças e demais componentes se desgastam, o que pode acarretar dano irreparável nas máquinas. 

Se há presença de água no óleo, o maquinário sofre, a longo prazo, o risco de desgaste, uma vez que o lubrificante perde sua função. Além disso, pode ocorrer oxidação, corrosão, formação de espuma ou o fenômeno conhecido como cavitação. 

Entre os possíveis riscos, está o vazamento de óleo quando alguma superfície se corrói com o passar do tempo. Esse tipo de situação é perigosa para os funcionários da empresa, para o maquinário e até mesmo para o meio ambiente, caso esse vazamento possa chegar ao solo. 

Para evitar todos esses problemas, a análise de óleo é a melhor estratégia. Com ela, é possível observar dados e verificar se o óleo pode ser recuperado antes que a quantidade de contaminantes se torne nociva para os equipamentos. 

Importância da análise de óleo:

  • garantir o bom funcionamento dos seus óleos industriais e a vida útil dos componentes da máquina; 
  • analisar, através de dados,  a presença de contaminantes no lubrificante; 
  • definir estratégias para a recuperação dos óleos industriais; 
  • evitar o descarte desnecessário dos óleos industriais contaminados; 
  • planejar manutenções preventivas e corretivas.

Na hora de cuidar dos seus óleos industriais, conte com o Grupo Filtroil. Veja em nosso site todas as soluções que podem auxiliar no melhor desempenho da sua indústria.

Fale com um Especialista

Tire todas as suas dúvidas falando com nossos especialistas, estamos preparados e prontos para falar com você.

Grupo Filtroil - 2022 © Todos os Direitos Reservados Desenvolvido por WEBi